Os homens que não amavam as mulheres - Stieg Larsson

domingo, 1 de julho de 2012 Marcadores: , , ,

Título: Os homens que não amavam as mulheres
Autor: Stieg Larsson
Editora: Companhia das Letras
Páginas: 522
Série: Millenium #1
Ano: 2010
Sinopse: Primeiro volume de trilogia cult de mistério que se tornou fenômeno mundial de vendas, Os homens que não amavam as mulheres traz uma dupla irresistível de protagonistas-detetives: o jornalista Mikael Blomkvist e a genial e perturbada hacker Lisbeth Salander. Juntos eles desvelam uma trama verdadeiramente escabrosa envolvendo a elite sueca. Os homens que não amavam as mulheres é um enigma a portas fechadas - passa-se na circunvizinhança de uma ilha. Em 1966, Harriet Vanger, jovem herdeira de um império industrial, some sem deixar vestígios. No dia de seu desaparecimento, fechara-se o acesso à ilha onde ela e diversos membros de sua extensa família se encontravam. Desde então, a cada ano, Henrik Vanger, o veelho patriarca do clã, recebe uma flor emoldurada - o mesmo presente que Harriet lhe dava, até desaparecer. Ou ser morta. Pois Henrik está convencido de que ela foi assassinada. E que um Vanger a matou. Quase quarenta anos depois o industrial contrata o jornalista Mikael Blomkvist para conduzir uma investigação particular. Mikael, que acabara de ser condenado por difamação contra o financista Wennerström, preocupa-se com a crise de credibilidade que atinge sua revista, a Millennium. Henrik lhe oferece proteção para a Millennium e provas contra Wennerström, se o jornalista consentir em investigar o assassinato de Harriet. Mikael descobre que suas inquirições não são bem-vindas pela família Vanger. E que muitos querem vê-lo pelas costas. De preferência, morto.

Bom dia pessoas!
Mais um mês se iniciando, e nada melhor do que uma resenha para agradar o dia. E o livro da vez eu sinceramente tiro o chapéu.
Na verdade eu terminei o livro na quarta feira passada, mas acabei enrolando um pouco a resenha. O escolhido foi Os homens que não amavam as mulheres. No início deste ano, nas férias, tive a chance de assistir o filme estrelado por Daniel Craig e Rooney Mara (tenho que agradecer especialmente a Laise, minha prima, e o Diego, seu namorado). Achei o filme fantástico, ainda mais pela linha investigativa. Tipo, eu ficava de cara com as descobertas! O tempo passou, até que me deu vontade de ler o livro. Já sabia o final, mas mesmo assim quis ler.

Mikael Bloomkist é um jornalista que acaba de ser condenado por difamar um empresário influente. Ao mesmo tempo, vê sua revista Millenium, ir de mal a pior. É nesse cenário que ele recebe a visita de Dirch Frode, advogado de um grande magnata: Henrik Vanger. Um tanto relutante, Mikael vai até a casa de Vanger para ver o que ele tinha a dizer. Aí ele recebe uma proposta um tanto intrigante: há quarenta anos, durante uma confraternização na cidade, Harriet Vanger, sobrinha de Henrik sumiu misteriosamente. Henrik acredita que Harriet foi assassinada, e por algum membro da família. E quando se refere a família Vanger, tudo pode acontecer, todos são suspeitos.
Mikael contará com a ajuda de Lisbeth Salander, uma hacker anoréxica e completamente desequilibrada.

Sinceramente não consegui largar o livro antes de terminar. Apesar de já saber o final, a narrativa me envolveu de tal forma que eu sempre tinha que estar lendo um trechinho ou outro. Adorei Mikael. Se mostrou um protagonista forte, astuto e esperto. Conseguiu desencavar coisas que ninguém há quarenta anos havia conseguido. Isso foi o mais legal do livro. O desaparecimento havia ocorrido há tanto tempo, e até então não havia sido descoberto coisa alguma. Lembrou-me um pouco Os elefantes não esquecem, da Agatha Christie.

Lisbeth Salander nem vou tecer comentários. Oh pessoinha estranha! Tenho que dar os parabéns para Rooney Mara, que interpretou ela no filme. Porque é uma personagem muito complexa, e totalmente difícil. Ao mesmo tempo que ela é louca, ela é uma gênia. Eu fiquei absorto com a facilidade dela de invadir os computadores dos outros.

Os homens que não amavam as mulheres é um livro grosso, mas de tão bom que é, nem se percebe o tamanho do livro. Literalmente as páginas viram sozinhas. As descobertas feitas a cada capítulo, a quantidade de segredos que vieram a tona, o modo que foram descobertos.

Stieg Larsson consegue manobrar a dose de mistério para que o livro não se torne cansativo em nenhum momento. Cada vez que vai mais a fundo, Mikael sabe que corre perigo, pois acaba conhecendo cada vez mais a família Vanger, e sabe que se falando deles tudo pode acontecer. Ele juntamente com Lisbeth acabam descobrindo um segredo que assombra a família Vanger há anos e que perdura até os dias de hoje e que com certeza pode mudar a vida de todos. E assim, quando você acha que o livro está acabando, ainda tem muito mais para ser descoberto. Fiquei admirado com a genialidade de Stieg ao criar uma história fantástica de um homem à procura de respostas. Ainda mais por tratar de assuntos tão contemporâneos, como violência da mulher, abuso infantil, hackers, preconceito entre outros.

Terminei o livro com um gostinho de quero mais. Assim que tiver oportunidade, vou ler A menina que brincava com o fogo, segundo livro da trilogia, porque Stieg Larsson subiu no meu conceito!
Amei o livro, e com certeza entrou na minha lista de favoritos! Assim que tiverem oportunidades, leiam, por que realmente vale muito a pena!

7 comentários:

  1. Olá, li os dois primeiros livros e adorei, é realmente impossível largar antes do fim, são ótimos e possuem um suspense maravilhoso.
    Parabéns pela resenha!!

    Um beijão
    Lara - Magia Literária

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada!! Também adorei o livro! É muito bom! Um dos melhores que li em 2012)!

      Beijos

      Excluir
  2. Eu não li, e fico contente que tenhas gostado do filme e encarado o livro. Eu disse que deveria ser este, né? Confio na opinião do meu pai e da minha amiga Larissa.

    Meu pai tem a trilogia, quando eu for pra São Paulo trago para lermos.

    liliescreve.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pode ser!!! Uma boa pedida para as férias!!!

      Beijão!

      Excluir
  3. Parabéns pela resenha Lucas! Muito em breve pretendo ler a Trilogia Millenium. Abraços!

    ResponderExcluir
  4. Olá, Lucas!
    Recebi o seu recadinho no Skoob e vim conferir o blog.
    Você está de parabéns, de verdade, e fico ainda mais feliz em ver que esteja resenhando sobre um livro que gostei tanto. :)

    "Os homens que não amavam as mulheres" foi definitivamente uma das melhores histórias que tive o prazer de ter em mãos este ano. Terminei "A menina que brincava com fogo" há dois dias e ainda hoje devo iniciar o terceiro. Sério, eu se fosse você, correria logo para ler o segundo livro, pois ele consegue ser tão bom ou melhor do que o primeiro.

    Lisbeth Salander é, sem dúvida alguma, a melhor personagem já criada na literatura atual. Pode parecer prepotência dizer isso, mas é a mais pura verdade. O leitor fica ainda mais engajado na situação dela durante o segundo livro - pois, nele, ela é a protagonista. Lisbeth tem o incrível poder de gerar tanto ódio como amor nos leitores e, convenhamos, que isso é algo um pouco difícil de se fazer. Stieg acertou muitíssimo, só fico triste por ele ter morrido tão cedo. :/

    Sobre o Mikael, ele é um personagem interessante, mas nada perto do que Lisbeth é, a meu ver. Então, a minha dica é essa: leia logo o segundo e já adquira o terceiro, pois o autor é tão maldoso, que deu um final necessitando da continuidade do terceiro livro. rs

    Ótima resenha, a propósito. Obrigada pelo convite.

    Att,
    Tatiana
    http://acervoblog.wordpress.com

    ResponderExcluir
  5. Obrigada pelo comentário!
    Também achei o livro um dos melhores do ano! Mal posso esperar para ler o segundo, mas talvez tenha que esperar um pouco, diante da quantidade que ainda tenho para ler!

    Beijos =D

    ResponderExcluir